sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

ENTÃO É NATAL

"Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz." Isaías 9:6


"O natal vem vindo, vem vindo o natal...";
"Acredite na magia do natal."


Adoro as propagandas de natal da coca-cola, gostava mais dos caminhões com mts luzes, renas e papai noel cruzando as avenidas do Rio. Uma vez vi uns 20 caminhões cruzando a Rio Branco, foi lindo.

Por mais que ache isso maravilhoso, o verdadeiro natal não é isso. Sabemos que Jesus não nasceu 25/12, conhecemos o lance do deus sol, da festa pagã, etc. Na verdade se convencionou essa celebração, mas o natal não é isso.

Um Certo Nicolau inspirou a criação da tradição de distribuir presentes e as lojas e o comércio se apropriaram dessa prática. Mas o natal, também não é isso.

Vemos homens se fantasiando com uma roupa vermelha, não se importando com o calor, e distribuindo presentes comprados pelos pais, mães, amigos e outros. Mas isso não é natal. O que me deixa muito chateado é ver pais mentindo para seus filhos dizendo que foi o papai noel quem deu o presente porque ele se comportou. Ah tá, é o tal do lúdico, da imaginação. Besteira é mentira mesmo. Isso é que não é natal mesmo.

Falta ainda outra coisa. As pessoas veem no natal mais uma desculpa para encher a cara e ficar doidão. Ou celebram o natal em um banquete de desperdício e competição entre sogras e noras, cunhadas e esposas, etc. isso não é natal.

A cada ano me pergunto: O que Jesus acha sobre nossas comemorações de natal? Ainda não sei.

Tá bom pode me chamar de chato. Mas diante disso acho legal, a família reunida, os amigos e parentes com aquele ar de felicidade pela confraternização. Mas, mesmo sendo uma coisa legal, isso não natal.

Mas o que é o natal então? É o nascimento do Filho de Deus. Portanto se fazemos todas estas coisas e esquecemos o principal, não estamos celebrando o natal. Que neste natal possamos celebrar Jesus, o seu nascimento, sua vinda ao mundo para cumprir o propósito de Deus ao homem. Deixemos as bebedeiras, as mentiras vestidas de vermelho, os baquetes e competições para ver quem vai dar, ou ganhar o melhor presente. Que O CRISTO, verdadeiramente, possa nascer em nossos corações.

E FELIZ NATAL!

PJ.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

5ªDoClamor

Se fala muito sobre vitória, mas a verdadeira vitória que vivemos é quando vivemos a vontade de Deus em nossas vidas

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Rm. 8:37



terça-feira, 18 de dezembro de 2012

(...CONT...) O CAMINHO DA VITÓRIA


JEREMIAS VITORIOSO DE VERDADE Jr. 9:23-26

Para mim um dos homens mais vitoriosos da Bíblia foi Jeremias. Pois ele viu cinco reis em Judá, sendo que os quatro últimos levaram Jerusalém ao Exílio Babilônico. Além disso ele viu a sua religião ser destruída diante dos seus olhos, aquilo que ele achava especial foi derrubado. Mas no início de seu Ministério, Jeremias presenciou e ajudou na reforma religiosa promovida por Josias, por volta de 630 a.C., no entanto com a morte de Josias, em 609, Judá entra em uma profunda crise espiritual, política, militar e social, culminando na destruição do Templo e na tomada de Jerusalém em 586 a.C. Mesmo diante deste quadro de ter que denunciar o pecado de Judá e anunciar a desgraça a Jerusalém, Jeremias se manteve fiel a Palavra de Deus e à missão dada pelo Senhor, nem a perseguição ou o descrédito dos reis o fizeram desistir. Diante deste quadro vejamos o que Jeremias nos tem a ensinar com relação ao caminho da vitória.

QUAL É O CAMINHO DA VITÓRIA? O CAMINHO DA VITÓRIA É...

  1. NÃO SE GLORIAR NA SABEDORIA
No Velho Testamento encontramos algumas tradições, ou formas de pensamento (maneiras de compreender o mundo) dentre elas podemos destacar a tradição sapiencial e a tradição profética. Parece que Jeremias, neste texto esta questionando a aplicação ou o uso da “sabedoria” pela liderança de Judá. O interessante é que Jeremias não condena a sabedoria, mas alerta quando a sua aplicação traz glória para o sábio e não para Deus. Na verdade Judá começa a se distanciar de Deus, tomando decisões sem consultá-Lo e buscando soluções contrarias à Palavra de Deus. Os desvios da nação haviam antes mesmo do reinado de Josias e devido a estes desvios Deus fala através do profeta Jeremias que iria castigar o povo. Falar de castigo hoje, parece ser um tanto incoerente, mas o castigo, não mostra um Deus mal e punitivo, mas um Deus que disciplina aqueles a quem Ele ama. Também, é preciso salientar que o castigo é resultado, ou recompensa da ação errada ou incompatível de quem é castigado. Portanto, Deus castigou sim o povo de Judá, para prová-lo, destruindo o pecado do meio do povo para que depois de 70 anos, como a profecia previu,  começar de novo. Mas hoje o castigo que nos traz a paz estava sobre Jesus na Cruz e, por isso, não há porque me gloriar na sabedoria de homens, em doutrinas, teologias, filosofias, estratégias, métodos, pois isso tudo é loucura.

A sabedoria dos homens não reconhece o poder de Deus, nem pode trazer fé ao coração sedento por Deus. Ou seja a fé em Deus não nasce do entendimento humano (sabedoria) mas da experiência com Deus, do conhecimento de Deus, como está escrito: “18  Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. (I Co.1:18). O poder de Deus é a Palavra da Cruz, ir contra a própria vontade, o resultado e a vantagem  para si – negar-se – e  tomar a cruz e seguir a Jesus (adotando para si a vida e as promessas que Deus tem). Portanto a glória não esta no sábio ou na sua sabedoria, mas no Deus que deu a sabedoria.

No mercado gospel existe muitas estratégias para ser um “vitorioso”, mensagens de “auto-ajuda” tem roubado o lugar da Palavra de Deus”, falar o que as pessoas querem ouvir tem limitado a ação profética da Igreja. Eu creio que é tempo de romper com a tendência de mercado, deixar de pregar para massagear os egos e começar a anunciar o PODER DE DEUS NA PALAVRA DA CRUZ. Mesmo que seja uma Palavra dura, que denuncie o pecado, uma Palavra de conserto, pois pode até demorar 70 anos, mas a restauração de Deus sempre vem. Pois a obra de Deus vai continuar sendo feita.

“portanto eis que continuarei a fazer uma obra maravilhosa com este povo, sim uma obra maravilhosa e um assombro; e a sabedoria dos seus sábios perecerá, e o entendimento dos seus entendidos se esconderá”. Is.29:14
  
  1. NÃO SE GLORIAR NA FORÇA
A sabedoria pode ser entendida como o planejamento para se chegar a um objetivo. Já a força é a capacidade de saber fazer e realizar. A pouco tempo atrás o mundo ficou estarrecido com a habilidade de um piloto de avião que pousou um Airbus dentro do rio Hudson em New York, salvando mais de 150 pessoas. Certamente este homem por mais habilidoso que seja, não tem que se gloriar na sua habilidade, na sua capacidade de fazer algo, nem na sua força, pois muitas coisas poderiam ter acontecido e a sua habilidade de nada adiantaria. Mas coube a Deus usá-lo para salvar estas pessoas, e a ele mesmo, da morte. Assim, também, não sou eu quem tenho a capacidade, mas é Deus quem usa a minha vida, não é a minha força que faz as coisas acontecerem, mas é Deus quem a usa de acordo com o seu propósito.

Uma coisa eu tenho aprendido: a minha força se acaba. Quando iniciamos uma empreitada com a nossa força, uma coisa é certa, ela se acaba. Mas, aqueles que tem a sua força no Senhor são felizes pois: “5  Bem-aventurados os homens cuja força está em ti, em cujo coração os caminhos altos” Sl.84:5. Você pode hoje estar casado e abatido, mas creia os que esperam no Senhor tem as suas forças renovadas (Is.40:31). Deus quer renovar as suas forças hoje e te fazer viver um novo tempo de ministério, buscando suas forças Nele. Já que é assim, não é a minha força que faz a obra de Deus acontecer, mas o Espírito, pois Ele é poder de Deus.

Ele me respondeu, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos.(Zc.4:6)  

  1. NÃO SE GLORIAR NA RIQUEZA
A sabedoria: seria a estratégia, ou planejamento, a força: a capacidade de fazer algo (habilidade). Já a riqueza pode ser vista como os recursos para se caminhar para a vitória. Muitos de nós temos nos afastado de Deus por achamos que não precisamos dele. Judá achou que tinha um exercito, ouro, carros e cavalos, mas quando os caldeus invadiram Jerusalém todos fugiram, inclusive o rei Zedequias.

Na parábola do filho pródigo vemos que os recursos que lhe foi dado pelo seu pai não o ajudaram a encontrar o caminho. Assim também muitos de nós achamos que são os recursos que nos fazem vencer, mas a igreja primitiva venceu e transformou o mundo a partir de 12 homens que não tinham munto mais que eu e você. Uma Igreja que impactava a sua redondeza sem um templo construído. Tenho aprendido uma verdade: “NÃO TER COMO FAZER NÃO PODE ME IMPEDIR DE FAZER A OBRA DE DEUS”. Pois é Ele que opera tanto o querer como o realizar
“porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” Fl.2:13.

Tem pessoas que estão se preparando para a obra de Deus, isso é bom, mas Deus quer te usar hoje, não coloque desculpa para se entregar a obra que Deus tem a fazer na tua vida. A igreja hoje esta cheia de “profissionais do reino”, mas falta servos do reino; homens que vivam para o evangelho e não vivam do evangelho.

Deus destruiu os recursos do reino de Judá, Deus subjugou a sabedoria dos sábios, Deus acabou com a força dos fortes. Deus também está fazendo isso hoje. Não adianta ter planos, saber fazer e ter como fazer, é preciso algo mais. DEUS NÃO ESTÁ BUSCANDO PROFISSIONAIS (músicos, pregadores, administradores, estrategistas, etc). A Bíblia diz que DEUS PROCURA A VERDADEIROS ADORADORES QUE O ADOREM EM ESPÍRITO E EM VERDADE (João4:23). Deus esta fazendo isso para fazer com que vc possa voltar para ELE e assim Ele possa restaurar.
   
  1. GLORIAR-SE EM SABER E CONHECER DO QUE DEUS É CAPAZ  
Saber o que Deus é capaz é importantíssimo para trilhar o caminho da vitória. O texto diz que Deus faz misericórdia, justiça e juízo. Estas três palavras no original vem da mesma origem, a palavra Tisek – justiça. Isso mostra que Deus age com misericórdia – perdão, mas também há uma justiça e com juízo. Entendendo isso João declara que é o Espírito Santo que convencerá o homem do pecado, da justiça e do juízo (João 16:8). É preciso saber que Deus é capaz de julgar e dar o juízo, mas também é saber que Ele é misericordiosa para perdoar:
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (João 1:9).

Além de saber destas coisas é preciso conhecer. E conhecer é experimentar, não é apenas tomar ciência de como Deus faz as coisas, mas é viver na tua vida o mover de Deus. Jó declara que antes conhecia Deus de ouvir falar, mas agora ele o conhecia de vê-Lo (Jó 42:5). Conhecer a ação de Deus é entregar a vida à Jesus e viver para Ele incondicionalmente.
Hoje é o tempo que Deus escolheu para derramar do seu Espírito sobre a Igreja e para que ela possa agir com poder e glória e preciso que trilhemos o caminho da Vitória: de experimentar a misericórdia, o juízo e a justiça de Deus, deixando com que Ele faça o que for preciso para voltarmos para Ele.
Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. Gl.6:14
QUE POSSAMOS BUSCAR SABEDORIA NA PALAVRA DA CRUZ; FORÇA NO SENHOR E RIQUEZA DO ESPÍRITO.
“ Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus”.Sl.20:7

Pr. Cezar Uchôa Júnior

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

QUER RESPOSTA? CLAME!

Jeremias 33:3, nos desafia a não desistir de viver o que Deus tem a realizar em nossas vidas. Mesmo que pareça impossível, distante, ou mesmo difícil para aceitarmos, Deus tem promessas a realizar em nossas viadas. O problema é que queremos ver as coisas acontecendo, mas andes de querer ver, precisamos aprender a crer, pois Jesus diz: "SE CREDES verás a glória de Deus. Ou seja, a condição para VER é CRER. Temos todas as quintas, a partir das 19:45h, um tempo para buscarmos a resposta de Deus. Venha, não desista, creia

O CAMINHO DA VITÓRIA



No mundo em que vivemos, a cada dia somos pressionados por todos a sermos excelentes. A competição dos “mercados” (trabalho, academia, artes, igrejas, religiões) criam noções de vitória e sucesso, muito mais focado nos resultados materiais do que no crescimento e na vida das pessoas. O mais importante agora não é o ser humano, mas os resultados que eles podem produzir. Nesta perspectiva, as igrejas de hoje, com exceções, tem buscado resultados “materiais” (um templo cheio, múltiplas atividades, vários serviços a serem prestados, etc.). Porém, não tem dado a importância devida às vidas e ao relacionamento com Deus. É possível ver isto, no chamado profissionalismo que tem invadido as igrejas. As pessoas tem se limitado a entender o serviço cristão como apenas entregar dízimos e ofertas, onde o trabalho fica sempre a cargo de um grupo pequeno de irmãos.

O serviço cristão é antes de tudo voluntário. Certamente digno é o obreiro de seu salário, mas antes de buscar o salário, o objetivo do servo de Deus é servir-Lo, mesmo que não haja remuneração. Em resumo, temos vivido um tempo onde “os crentes” têm buscado serem servidos pela Igreja, mas não é isso que nos ensina a Palavra de Deus. Jesus – o próprio Deus – veio para servir, assim também este é o papel do povo de Deus. A Igreja não existe para satisfazer os nossos desejos, mas para nos proporcionar uma vida de adoração e serviço ao Deus Vivo, proporcionando meios para desenvolver os nossos ministérios e um espaço para vivermos em comunhão, além de buscar estratégias para anunciar o evangelho de Cristo.

A busca por resultados tem feito as pessoas e as igrejas buscarem atalhos para a vitória. Ou pior tem feito a igreja confundir a vitória de Cristo com o resultado e o sucesso diante dos homens. Para entendermos qual é o caminho para a vitória, precisamos antes entender o que é a Vitória de Cristo.
 
Em resumo: a vitória de Cristo é permanecer no seu amor como Paulo escreve ao Romanos:
Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou.  Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. (Rm8:37-39).

Permanecer no amor de Deus em Cristo Jesus é a verdadeira vitória que devemos buscar. Claro que esta afirmação é muito teórica, mas na prática isto significa ter uma fé incondicional na Palavra de Deus, obedecê-la, além de experimentar a cada dia uma pouco da Glória de Deus, pois a Bíblia diz que “de Glória em Glória somos transformados” (IICo. 3:18). Esta vitória, de uma vida com Deus, resulta em um sucesso no sentido real da palavra – capacidade para aquele que sucede.

Portanto o sucesso de Deus não é o reconhecimento, ou o aplauso, mas a continuidade da obra de Deus através dos que vem depois de nós. Este é o crescimento que Deus espera ver da Igreja neste tempo: uma Igreja formada por homens e mulheres que se entregam totalmente a Ele e não apenas freqüentadores que utilizam-se dos serviços eclesiásticos. Precisamos aprender a crer na Palavra de Deus, pois quem dá o crescimento é Ele. Pois esta escrito:
“Eu plantei; Apolo regou; mas Deus deu o crescimento.”(I Co. 2:3); “louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos”(At.2:47). Por isso, o objetivo da Igreja não é buscar o crescimento numérico, pois ele vem de Deus, precisamos sim, viver Nele, para Ele e por Ele, permanecendo no seu amor, em Cristo Jesus. (Continua)
                                                            Pr. Cezar Uchôa Júnior

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A FÉ NA DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS


Uma convicção não nasce de conceitos vazios, ou certezas ingênuas, mas quando a realidade se encontra com a fé dando sentido para a vida e para os acontecimentos. Não basta crer é preciso viver em função da fé, isso significa alimentar a fé confrontando-a com os acontecimentos da vida, tendo por base a Palavra de Deus. Pois a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus (Rm.10:17). Portanto, a realidade da dimensão do amor de Deus se constitui quando a Palavra de Deus toma nosso coração, nossa família, nossa Igreja e passamos a ver toda realidade que nos envolve com os olhos da fé. 

Nosso coração é tomado pela dimensão do amor de Deus quando permitimos que ele seja quebrado, transformado em um coração sensível a Sua Palavra, um coração de carne (Ez. 36:26). Por isso, neste tempo de incertezas e opiniões sobre tudo, dias de infinitas informações ao alcance de nossos teclados, mas pouca sabedoria para saber o que fazer. Alguns dizem que basta fazer o que o coração manda, outros associam felicidade a satisfação da carne. Neste mundo de facilidades e relativismos, Deus tem levantado um povo incomodado e inconformado com a realidade que vemos, tanto dentro como fora da Igreja.

Portanto, a felicidade está em deixar Cristo transformar o nosso coração a cada dia, para que a nossa vida seja vivida pela fé Nele e não nas coisas que o entristecem. Não podemos condicionar nossa felicidade a este mundo, precisamos crer em Deus e em Jesus, pois ELE tem preparado um tempo de felicidade. O tempo de ser feliz é agora; a hora de adorar é agora; o dia do Senhor é hoje. Deixemos ELE reinar em nosso coração para viver esta vida pela fé, uma fé que nos faz enxergar toda dimensão do amor de Deus.


                                                

sábado, 20 de outubro de 2012

O ÉDEN NÃO FOI SUFICIENTE



Quando a serpente seduz a humanidade a desobedecer a Deus ela usa a seguinte estratégia: Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.” (Gênesis 3:4-5). O que a serpente oferece é SER COMO DEUS, conhecedores do BEM e do MAL. Aparentemente uma ótima oferta, ou não? Alguns dizem que essa estória mostra um Deus sádico, pois coloca algo ao alcance da humanidade, porém diz: “não coma”. Diante dessa Palavra, podemos entender um pouco da Revelação de Deus a cerca do pecado, sua natureza e consequências para nossas vidas, não adianta ficar conjecturando se seis é meia dúzia.

O pecado, por muito tempo foi visto como um mecanismo de controle através do medo. Em certa medida isso não é errado. No entanto, a atitude de desobediência à Palavra de Deus esconde algo que muitas vezes não conseguimos perceber. Estou falando da insatisfação do que Deus nos deu. A humanidade, figurada na pessoa de Adão e Eva, foi seduzida pela possibilidade, digo possibilidade, de ter mais do que aquilo que Deus tinha dado. Aí você pode dizer, mas isso parece um teste, um jogo, de repente pode até ser. Porém, não  quero chamar a atenção para o que Deus tinha em sua mente (pois isso é apenas conjecturar), mas para a realidade do pecado da humanidade a partir do Éden.

O Éden não foi suficiente para a humanidade. Isso demonstra que não temos um coração agradecido pelo o que Deus tem nos dado. Então, se não conseguimos agradecer pelo que temos, o nosso coração fica cheio de insatisfação e almejamos algo além, o conhecimento do bem e do mal, sermos como Deus. Mas na verdade isso não passa de UMA POSSIBILIDADE improvável. Quando trocamos a realidade que temos por uma propaganda enganosa, resta-nos lamentar o que desperdiçamos. Assim, enquanto não aprendermos a valorizar o que temos, não seremos dignos de ir além, de estar na presença de Deus.

Ainda hoje o Éden não é suficiente, a Graça não basta, não conseguimos ter um coração agradecido. Por isso, a serpente tem semeado a insatisfação com as coisas de Deus e esta semente tem germinado nos corações das pessoas, inclusive nas Igrejas, valores egoístas, uma religiosidade centrada no “eu”, um conformismo com as coisas do mundo e uma divinização do que é humano. Voltemos ao evangelho, Voltemos para os braços do Pai, voltemos ao primeiro amor. Pois quando o Senhor realmente for o nosso pastor, nada nos faltará, pois ELE nos basta. Pois estou certo de que nada poderá nos separar do amor de Deus em Cristo Jesus.

 PJ




quarta-feira, 17 de outubro de 2012

O PAI, O FILHO E O CAJADO



Certa vez um pastor de ovelhas resolveu levar seu filho, ainda menino, para lhe ensinar o seu trabalho. Chegando ao lugar onde as ovelhas pastavam, um campo bonito, com uma mina d’água que servia para matar a sede tanto dos animais como dos pastores. O pai começou a ensinar o que deveria e o que não deveria ser feito no trato com as ovelhas no campo. Mas uma coisa o velho pai quis chamar a atenção de seu menino, para que ele tomasse cuidado com o penhasco no fim do pasto, atrás de um belo arbusto cheio de flores. Diziam ser aquele lugar o mais bonito de toda a região, porém com certeza era o mais perigoso.

Depois de ter instruído bem o seu menino, o pai foi cuidar da fonte, para que represasse mais água. Enquanto isso o jovenzinho brincava de pastor pelo campo, correndo, pulando, fazendo molecagens de criança e descobrindo coisas fantásticas. Foi esta mesma curiosidade que fez o pequeno jovem esquecer do aviso de seu pai. Então lá foi ele até aquele lugar perigoso, onde poderia ter outras coisas a serem descobertas. Mas de repente, o curioso menino escorregou e despencou penhasco abaixo agarrando com todas as forças em uma raiz. Ali sem nenhuma alternativa, o menino venceu o medo e a vergonha de ter desobedecido seu velho pai e gritou com todas as forças:  “PAI!!PAI!!!PAIIIIII!!!!!! Me ajude estou caindo, ME SALVE!!!!”. Ouvindo a súplica de seu amado filho, o velho pastor largou o que estava fazendo e correu a procura de onde estaria vindo aquele grito de socorro.

Como correu aquele velho pastor a procura de seu amado filho. De repente ele descobre de onde estava vindo os gritos de socorro e, olhando para baixo percebe que seu filho estava muito longe para poder alcançá-lo. Então no meio daquela confusão toda, ele teve uma idéia. Pega o seu cajado, se pendura no barranco do penhasco se estica ao máximo e grita: “Filho teu pai está aqui, segure o cajado para eu te salvar”, mas o seu filho não podia vê-lo, mas o escutou e respondeu: “Estou aqui meu pai, eu não vou conseguir se eu soltar a raiz posso cair”. Então o jovem menino se enche de coragem e resolve soltar a raiz do penhasco para segurar o cajado de seu pai, mesmo sem saber se realmente seu pai iria salvá-lo, afinal ele já tinha uma certa idade. Mas para a alegria de pai e filho o velho pastor conseguiu tirá-lo daquele barranco com a ajuda de seu cajado. Assim o jovem rapaz nunca mais esqueceu da experiência que tivera.

Com o passar dos anos o velho pastor veio a falecer e, o menino para relembrar de seu pai guardou o cajado em um lugar muito especial e de honra em sua casa. O menino cresceu. Já com a família formada, o “menino, agora homem” desempenhava o mesmo trabalho de seu velho pai já falecido. Certo dia um de seus filhos é flagrado pelo agora pai menino, contemplando aquele cajado. “Como é bonito este cajado pai” – dizia ele. Então seu pai contou toda a história. O jovenzinho ficou fascinado como aquele velho cajado havia salvado a vida de seu pai, por isso este filho prometeu a seu pai guardar aquele cajado para sempre lembrar desta história depois de sua morte.

O tempo, que não para, passou e com ele levou a vida do jovem menino agora velho e cheio de dias. Seu filho, neto do velho pastor, guardou com muito carinho aquele velho, porém belo cajado. E todos os dias ele olhava para ele e lembrava de como seu pai havia sido salvo através do velho cajado. Então com medo que a madeira do cajado apodrecesse e o cajado morresse como seu avô e seu pai, o neto resolve pintar um quadro do cajado. Para isso ele contrata o melhor pintor da região e investe muito de seus recursos para pintar a imagem de seu, agora santo, cajado. Antes de sua morte o neto do velho pastor resolve contar para seus filhos a importância daquele velho cajado, na vida de sua família. Dizia ele: “se não fosse este cajado meu pai teria morrido criança, eu não teria nascido e nem vocês estariam hoje ouvindo esta história”. Então todos os seus filhos resolveram fazer para si um quadro daquele velho, porém belo cajado, para que quando eles se casassem levassem consigo a história do velho cajado daquela família de pastores.

O neto do velho pastor morreu e seus filhos se espalharam pela terra, agora adorando uma imagem de um velho cajado na parede de suas casa, agora sem saber muito o porquê da origem desta veneração. Com o passar dos anos e gerações foram criados métodos, rituais cerimônias para a veneração do velho cajado. Homens matavam e morriam, defendendo a adoração ao quadro como ele era, outros diziam que o mais importante não era o cajado nem o quadro, mas a mensagem e a história de salvação daquele clã. Mas em sua maioria aquelas pessoas se esqueceram de quem tinha se arriscado, usado de todas as suas forças para ir lá naquele penhasco, com o seu já velho cajado, o velho pastor. Este não olhou para a rebeldia de seu filho, mas se arriscou e o salvou da morte certa, nunca mais foi lembrado. O jovem menino pecador, mas arrependido de sua atitude também nunca mais foi lembrado. E o próprio cajado deu lugar a vários quadros espalhados por toda aquela região cheio de crendices, simpatias e idéias sem nenhuma relevância, baseada naquelas imagens . Assim nunca mais o velho pastor e pai amoroso, seu filho arrependido e o velho cajado, instrumento da salvação para a criança, foram lembrados naquele lugar, mas os quadros dos cajados até hoje estão em todas as casas, praças, lugares daquele país alimentando a guerra, a fome e todos os sentimentos egoístas daqueles homens. 

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A REALIDADE DE ENTREGA

Um dos maiores desafios para o homem é aprender a entregar o que é seu. Na verdade, a religião muitas vezes tem ensinado justamente o contrário do que a Bíblia nos ensina, pois ela é utilizada como forma de ganharmos algo de Deus. Porém, a melhor coisa que podemos ganhar de Deus é aprender a entregar. 

O salmista nos ensina a entregar o nosso caminho ao Senhor e confiar (Salmo 37), Jesus é maior prova de entrega, pois Ele morreu em nosso lugar, para pagar os nossos pecados, dando a sua vida por nós. Deus nos mostrou, de forma prática que quem ama entrega “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu...”(João 3:16).

Muitas vezes passamos a vida quase toda querendo ganhar, ganhar e ganhar,  um carro, um emprego, um cônjuge, uma vida melhor, dinheiro, ou até mesmo um carinho ou um afago. Alguns até conseguem ganhar muitas coisas, outros vivem frustrados porque queriam algo que não tem, mas a questão maior não está naquilo que temos ou deixamos de ter, mas na nossa capacidade de entregar, de se doar para Deus, é isso que faz toda a diferença.

Quando vivemos na lógica da recompensa nunca encontraremos a felicidade, pelo contrário, a busca por recompensa é a fonte dos males em nossas vidas. A Bíblia diz que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (I Tm 6:10), ou seja, quando o nosso coração deseja ser recompensado e os nossos esforços são para recebermos, estamos alimentando a raiz da maldade em nós. O dinheiro aqui é o símbolo da troca, do pagamento, da recompensa em função de algo que foi feito. Entenda que não é o dinheiro em si que é mal, mas é o amor a ele, por isso longe de parecer que Deus quer ver todos na pior, sem dinheiro, sem emprego e cheios de problemas, claro que não, mas nós não podemos olhar apenas para aquilo que é superficial e achar que tudo se resolveria para nós, se tivéssemos determinada coisa. 

Creia os nossos problemas se resolvem quando aprendemos a entregar o nosso caminho ao Senhor e confiar nele. Deus nos abençoe.
 Pr. Cezar Uchôa Júnior

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Palavra de Deus em linguagem humana


Palavra de Deus em Linguagem Humana
"Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.
2 Pedro 1:21

A Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira diz:

“A Bíblia é a Palavra de Deus em linguagem humana.1 É o registro da revelação que Deus fez de si mesmo aos homens.2 Sendo Deus seu verdadeiro autor, foi escrita por homens inspirados e dirigidos pelo Espírito Santo.3 Tem por finalidade revelar os propósitos de Deus, levar os pecadores à salvação, edificar os crentes e promover a glória de Deus.4 Seu conteúdo é a verdade, sem mescla de erro, e por isso é um perfeito tesouro de instrução divina.5 Revela o destino final do mundo e os critérios pelo qual Deus julgará todos os homens.6 A Bíblia é a autoridade única em matéria de religião, fiel padrão pelo qual devem ser aferidas as doutrinas e a conduta dos homens.7 Ela deve ser interpretada sempre à luz da pessoa e dos ensinos de Jesus Cristo.”

 A Bíblia é Palavra de Deus em Linguagem Humana? Só Cultura? Mas e a Revelação? 
Tudo é cultura? Se olharmos apenas para a "linguagem", sim toda a Bíblia é cultura. Mas, o que dizer da Revelação? Onde está a Palavra de Deus expressa na linguagem humana? Seria a mensagem? Ou não existe revelação? Essa discussão demonstra, dentre outras coisas, que ninguém pode manipular, aferir ou controlar a Palavra do Deus (LOGOS TOU TEOU), sejam críticos, religiosos, ou homens de fé.

Critérios de interpretação, modelos explicativos ou sistemas teológicos tentam a milênios interpretar a Palavra de Deus. O problema é que todo esquema proposto pelo homem para ler a “Revelação” limita-se ao olhar humano. Mas, não seria esta a proposta de Deus ao se “re-velar”? Podemos pensar a Bíblia, justamente, a partir desse conceito de “re-velar” (velar novamente). Nesse sentido, para que pudéssemos apreender (compreender) o tamanho da Revelação de Deus, Ele “traduziu”, simplificando a Sua mensagem de maneira acessível ao homem. Portanto, qualquer modelo explicativo da Revelação de Deus, não pode ser visto como um “óculos espiritual” capaz de mostrar os verdadeiros segredos de Deus. Quero dizer com isso que qualquer interpretação da Bíblia é tão humana quanto a sua linguagem. Assim, os debates e a compreensão da linguagem humana (cultura) fazem parte da interpretação bíblica, porém não determinam a Revelação.

Agora, o que dizer da fé? Essa palavra tão pequena e de tão difícil conceituação está no centro da maneira como compreendemos a Bíblia. Por um lado, nossa fé tende a desconsiderar todo esforço humano para compreendermos a Bíblia, pois em uma análise crítica as Escrituras apresentariam discordâncias. Então abrimos mão da crítica e adotamos uma suposta espiritualidade na interpretação da revelação. Por outro lado, podemos abrir mão de toda a revelação por considerarmos que a Bíblia contem incoerências. E agora o que fazer? Manter uma leitura inocente, e supostamente espiritual, ou entregar-se à crítica, na busca pela “verdade”? Tanto faz, de um lado ou de outro voltamos para a cultura e a linguagem. Isto, no nível do debate teológico é produtivo, como construção de conhecimento, não no sentido de certo e errado, mas na perspectiva de perceber que tanto o modelo devocional como o crítico são apenas pontos de vista de um mesmo tema.

Portanto, a Bíblia é a Palavra de Deus em linguagem humana. Sendo que a linguagem possui várias perspectivas, porém a Palavra de Deus é única. A linguagem (cultura) ajuda a compreender a fé e a vontade de Deus, no entanto não podemos divinizar os modelos explicativos (devocional ou crítico), ou coloca-los no altar como intocáveis. Sendo assim, a fé Cristã em Deus é uma construção humana (cultura) inspirada por Deus e tem como referência a Revelação, principalmente no Novo Testamento. Assim, a fé na existência de um único Deus que se revelou para salvar o homem do pecado, restabelecendo o vínculo (Deus-homem) baseado no amor e na entrega, é um ato de fé que pode ser compreendida. Pois a aceitação dessa realidade é um reconhecimento de fé, no qual a Bíblia nos ajuda a responder a razão da esperança que há em nós (IPe.3:15). Então, a linguagem humana é necessária para compreendermos a Palavra de Deus que nos faz crer e crescer na fé, na esperança da vontade de Deus em nossas vidas. 

Pr. cezar uchôa júnior 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

OLHANDO BEM DE PERTO


Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram.”.2 Coríntios 5:14

O que arde nos corações dos que um dia foram verdadeiramente constrangidos pelo amor do Senhor.

A Quem Possa Interessar

Enquanto servir a Jesus for compartilhar palavrinhas bonitas em redes sociais, manter uma aparência e não um coração temente a Deus;
Enquanto a noiva de Cristo disser que ama a mensagem da cruz, mas insistir em viver um romance macabro com as trevas;
Enquanto a igreja lutar com todas as forças para não quebrar dogmas e andar a passos lentos em direção as vidas sedentas;
Enquanto o nosso amor for baseado em impressões carnais, o nosso corpo espiritual adoecerá cada vez mais;
Enquanto causarmos ferimentos e mais ferimentos em nós mesmos, a luz não poderá ser vista em nós;
Enquanto a vaidade dos líderes estiver exposta em placas na frente dos templos, seremos um povo guiado por cegos;
Enquanto a palavra de Deus estiver em segundo plano, as diversas (di)visões nos levarão ao engano e afastamento do único caminho;
Enquanto o nosso medo de sermos ministrados diretamente pelo Espírito Santo for maior do que nosso comodismo de corrermos atrás de avivamentos emocionais e interpretações bíblicas equivocadas;
Enquanto defender o evangelho pregado por Jesus for considerado romper com os modelos religiosos;
Enquanto nossas estratégias mirabolantes forem fast food, deixando o povo cada vez mais inchado e menos saudável espiritualmente.

Viveremos a mediocridade dos ajuntamentos e cultuaremos ideais humanos. Trocaremos as palavras de vida eterna por valores e comportamentos temporais.

Enquanto contalibilizarmos nossos frutos, não os daremos com naturalidade;
Enquanto o amor for entendido como uma regra, não poderá fluir de nós como um rio;
Enquanto nos omitirmos diante das imposições do mundo,o Reino de Deus será em nós só um vislumbre e não uma realidade;
Enquanto perdemos tempo discutindo aplicações teóricas da Palavra, a prática será negligenciada;
Enquanto levantarmos barreiras que o próprio Cristo derrubou, seremos vistos como mais um grupo religioso e não nos religaremos de fato ao Senhor através do amor ao próximo;
Enquanto o ''eu e eu'' não morrer, o ''eu e Deus'' será apenas um discurso;
Enquanto formos apenas por enquanto, experimentaremos manifestações esporádicas da glória de Deus.

Se, decidirmos prosseguir em conhecer o Deus que professamos abrindo mão de tudo que não venha Dele, a relação se torna constante e equilibrada, íntima.

Evelyn Barboza

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

TRAZENDO O EVANGELHO DE VOLTA


Trazendo o Evangelho de volta


A simplicidade das Palavras de Jesus – “necessário é nascer de novo...da água e do Espírito João 4” – é de uma profundidade enorme. No entanto, hoje buscamos estratégias para tornar o evangelho mais aceitável, transformando a Boa Nova em um produto de propaganda. Por isso precisamos trazer o Evangelho de Jesus Cristo de volta. Não podemos usar a Palavra de Deus para confortar nossas vidas pecaminosas, mas precisamos confrontar nossas atitudes com o que Deus diz. Queremos encher nossos templos de pessoas, apresentar um programa “agradável”, “impactante” e “tremendo” com muita música e uma palavra que levante a nossa estima. Queridos, o Evangelho de Jesus Cristo não é um instrumento de autoajuda, pois Ele veio trazer a Salvação. Temos visto um grande número de mensagens que tem transformado Jesus em uma “coisinha” que falta em nossas vidas, como se fosse um acessório. Eu creio que Cristo não é algo que faz minha vida melhorar, Ele deve é toda minha vida.

A Bíblia nos ensina que aceitar a Jesus é muito mais que dizer umas palavras: “eu aceito” e levantar a mão. Receber a Cristo é experimentar o arrependimento e fé, ou seja, é ter a consciência dos nossos pecados e crer que Ele é fiel para nos perdoar e nos purificar de todo o nosso pecado. Assim, podemos dizer que muitos em nossas Igrejas precisam vivenciar esta salvação que vai além de um rito evangélico.

A salvação é, portanto, a motivação verdadeira que todo crente tem em servir e entregar a sua vida ao Senhor como um sacrifício vivo e santo (Rm. 12:1). Nós não servimos a Deus para receber um aplauso, ou uma recompensa por trazer pessoas à Igreja, a nossa recompensa é ter Deus em nossas vidas, é sermos salvos. Muitas pessoas têm desenvolvido estratégias para “motivar outros a servirem a Deus” – uma posição na Igreja, um elogio do líder, um salário em dinheiro, uma possibilidade de liderança, etc – mas todas estes estímulos motivacionais se tornam um engodo, um nada. Por isso, precisamos nos perguntar sempre: qual é a nossa motivação em servir ao Senhor?

Cezar Uchôa Júnior

terça-feira, 11 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

MISSÕES NACIONAIS 2012

Estaremos dando início à Campanha de Missões Nacionais neste domingo. Já temos orado pela nossa nação e pelos missionários que se colocaram a disposição do Senhor para fazer esta obra. Agora precisamos colocar diante de Deus nossas vidas para mantermos o projeto missionário no Brasil. Faça parte "seja luz".

site da jmn:
http://www.jmn.org.br/publicacao.asp?codCanal=14



terça-feira, 28 de agosto de 2012

1º GRUPO DE ORAÇÃO PELAS FAMÍLIAS


ESTAMOS IMPLEMENTANDO ESTE MINISTÉRIO EM NOSSA IGREJA DE FORMA MAIS PRÁTICA E EFETIVA. FIQUE ATENTO.

NOSSAS DIRETRIZES SÃO:
1.Tema: “Famílias tocadas pelo Senhor”.
2.Conscientização da Igreja para a visão de que a família é a igreja. Culto Doméstico;

3. Encontro de Famílias - treinamentos e momentos de compartilhar experiências (filmes, palestras, estudos, etc);
4.Introduzir a idéia de GF (grupos de Familiares) – Min. De Famílias.
  1º  fortalecer a família - CULTO DOMÉSTICO; 
  2º  fazer da família um agente do Reino - Grupos Familiares; 
  3º  Focalizar o crescimento da Igreja a partir do fortalecimento dos vínculos familiares;
  4º  Articular os Grupos Familiares com a Igreja;
  5º Integração com o Ministério de Evangelismo.

Já iniciamos o 1º Grupo de Oração Pelas Famílias na casa dos irmãos Cristiano e Neca. O intuito é orarmos juntos pelas famílias e estabelecer um lugar de evangelização. Depois pretendemos montar outros grupos, por isso oremos para que vidas sejam tocadas pelo Senhor.



Neste sábado (01/09) às 18h estaremos
 realizando o ABENÇOANDO A POSSE,
  com o propósito de convidarmos 
os vizinhos do Cristiano e Neca
 a participarem da
 "ORAÇÃO PELA FAMÍLIA". 
PARTICIPE! 






segunda-feira, 27 de agosto de 2012

5ª DO MILAGRE - DIA 30/08 - VIVA


“ Deus pelas mãos de Paulo fazia milagres extraordinários” At. 19:11

O valor de um milagre

Um milagre pode ser entendido como um fenômeno que contraria as explicações possíveis. Ou como uma ação de forças sobrenaturais em uma determinada situação. Nas duas explicações, as múltiplas   interpretações fazem com que o sentido e o propósito – o valor -  do milagre se perca. Em alguns textos bíblicos os milagres são identificados como sinais, vistos na perspectiva de confirmar a ação de Deus, em favor de alguém e através de uma alguém (profeta, sacerdote, apostolo, servo de Deus) mostrando que o próprio Deus está agindo. Mas qual é o valor de um milagre?

Dentre os prodígios mais visíveis de Deus – como uma cura, um livramento de morte, uma situação resolvida sem explicação, etc – somos tentados a pensar que é o milagre que aumenta nossa fé, mas não é. Muitos recebem dádivas reconhecidamente milagrosas de Deus e continuam do mesmo jeito. Isso me faz pensar em outra questão: quais são os critérios de Deus para abençoar alguém com um milagre? Será que é por merecimento, ou escolha, ou aleatório? Isso infelizmente eu não sei explicar, mas como vemos na Bíblia, os milagre foram interpretados pelos autores (como Lucas no livro de Atos) como uma ação de Deus por meio da Igreja para afirmar que Deus realiza os seus planos em nós, mesmo de forma sobrenatural. Mas e hoje? E nós? Será que podemos experimentar o milagre de Deus em nossas vidas, em nas nossas famílias e em nossas igrejas?

Creia, o maior de todos os milagres Deus já fez por você: te dar a vida, não só a natural, mas a vida eterna em Cristo Jesus. Este milagre ocorrido a dois mil anos atrás – a morte e ressurreição de Jesus – fala ainda hoje e demonstra na prática o milagre do amor de Deus. Deus te ama e por isso agiu de forma milagrosa para te salvar e, hoje ainda quer continuar operando o milagre Dele na tua vida e na tua casa. O nosso Deus é o Deus que age no impossível, ELE opera maravilhas para realizar em nós o Seu querer e, ELE quer fazer isso na tua vida hoje. Coloque todo o teu ser na presença do Senhor e deixe ELE agir.

Mas será que Ele pode operar um milagre hoje na tua vida? Claro que sim. Através de Paulo e dos apóstolos Deus operava milagres (sinais) a dois mil anos atrás e hoje o mesmo Espírito continua agindo e, por intermédio do Poder de Deus você pode experimentar o milagre da cura, da libertação, das portas abertas, do emprego, do perdão. Faça uma oração agora mesmo e coloque diante de Deus a tua vida e deixe Ele realizar o milagre em você e/ou através de você. Ele pode te ouvir agora mesmo pois: “Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.” Salmo.34:18.

Deus te abençoe.

paz  

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

A DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS - I João 4:15-21


ANDANDO NA DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS I João 4:15-21


Como é bom saber que Deus nos ama. Mas muito melhor é viver este amor. Eu sei que Deus me ama não porque eu tenho uma família, um trabalho, uma casa e etc, eu sei que ELE me ama porque morreu em meu lugar, mas ressuscitou para me dar a vida eterna. E, mesmo que eu não tenha uma família, um trabalho, uma casa e etc, continuarei sabendo que ELE continuará me amando. É difícil entender o amor de Deus? Talvez seja. Então não tente entender, somente, mas conheça e creia neste amor.

Quando nos lamentamos sobre aquilo que não temos, ou sobre coisas que acontecem em nossa vida, na verdade, estamos direcionando nossos esforços para o lamento. Porém, no amor de Deus eu sei que Ele me ama e, não tenho tempo para me lamentar. Mas é justamente isso que o mundo tenta tirar de nós, esta percepção do amor de Deus, porque na verdade ninguém pode mudar o amor de Deus, no entanto existem forças trabalhando 24 horas por dia para fazer com que percamos a dimensão desse amor. Por isso, temos sofrido graves crises, por falta da dimensão do amor de Deus em nossas vidas. Este é um problema muito sutil em nossa geração, pois apesar de estarmos vendo igrejas lotadas, movimentos de “avivamentos” para todos os gostos e um “crescimento” numérico dos ditos evangélicos, ainda estamos vendo pessoas infelizes com suas vidas, inseguras com o seu corpo e desejosas de aceitação. Neste contexto, a Igreja, ou a religião acaba se tornando apenas uma muleta, que serve para nos sustentar em nossa deficiência espiritual. Porém, nós precisamos ir além, Deus não é apenas um acessório para as nossas deficiências, mas Ele é Senhor de todas as cosas e nos ama com amor eterno e espera que nós andemos na dimensão do seus amor.
 
                    Mas, como podemos conhecer e crer no amor que Deus tem por nós?
A resposta é simples: permanecendo na dimensão do amor de Deus e ELE permanecendo em nós. Para  isso precisamos confessar que Jesus é o filho de Deus. Isso não implica apenas em uma verbalização, ou em uma compreensão racional, mas vai muito além disso: É PRECISO CONHECER E CRER NO AMOR DE DEUS. Pois quando conhecemos alguém é porque já tivemos uma convivência com este alguém, assim para conhecer o amor de Deus é preciso viver (conviver) na dimensão desse amor, com ELE. Nós nunca conseguiremos conhecer o amor de Deus longe Dele. Assim, a questão não é o que Deus pode fazer, mas como eu percebo e experimento o que ELE faz e o que já fez - isto é o seu amor. Pois Ele já nos amou primeiro e, portanto, nós é que precisamos permitir o derramar desse amor em nossas vidas e viver em sua dimensão. Sendo assim, hoje  podemos estar passando por momentos de frustrações, de solidão, ou seja lá o que esteja impedindo de levantar e seguir o Caminho (Jesus), saiba que quando mergulhamos no amor de Deus, não temos mais tempo para nos lamentar.

Por outro lado, não basta conhecer o amor de Deus, é preciso também crer que este amor é real é opera em nosso favor. Isso significa que quando nossas vidas estão mergulhadas no amor de Deus, não importa as circunstâncias, o importante é permanecer nesse amor. Mas, às vezes parece que nosso amor e nossa fé estão condicionados às nossas vontades mesquinhas e egoístas, pois quando somos contrariados em nossos desejos travamos em nossa “birra espiritual”. Mas Ele tem muito mais para nós, além do que podemos pedir, pensar ou imaginar, por isso hoje eu não quero mais olhar com os meus olhos para aquilo que me afasta da vontade boa, perfeita e agradável do Senhor, mas almejo e busco intensamente mergulhar na dimensão deste amor .

Esta é a Igreja que Deus quer levantar neste tempo, um povo que se aperfeiçoa no amor de Deus. Longe de querer parecer melhor que alguém, pois não somos, mas Deus nos tem revelado esta realidade – o derramar do seu amor que transbordará do nosso interior – para que os nossos olhos se abram para a vida de felicidade e paz Nele. Não há barreiras para aqueles que estão mergulhados neste amor. Portanto, muito mais que uma transformação moral, ou de costumes e práticas, nossa vida mudará e encontraremos a paz e a alegria de viver, quando experimentarmos a dimensão deste amor. E eu quero encerrar dizendo que isso está ao alcance do nosso coração, basta permitir o derramar dessa glória em nós. Que sejamos aperfeiçoados deste amor, conhecendo e crendo que ELE nos ama e, quando isso for real em nós, viveremos a DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS e tudo será apenas ELE em nós.  
                                                                                              Pr. Cezar Uchôa Júnior
 


quinta-feira, 16 de agosto de 2012

SEJA A IGREJA, MAS VENHA À IGREJA




A Igreja é a reunião de pessoas com o propósito de servir e adorar o Senhor Jesus. A sua ação deve considerar também o “mundo”, ou seja as pessoas que não conhecem ou não foram tocados pelo amor de Deus em Cristo Jesus. Parece fácil conceituar a Igreja? Nem tanto. Talvez, o mais difícil seja viver como Igreja. Na crítica que fazemos à Igreja (instituição) às vezes a saída é abrir mão dela, ou simplesmente ser indiferente. Veja só o que nossa irmã Claudia Peres escreveu no face:
“A questão é que igreja é relacionamento em alguns momentos é difícil, em outros nem tanto, porém precisamos continuar olhando para o alvo que é JESUS CRISTO, pois Ele sim, é o verdadeiro avivamento em nossas vidas. Onde Ele entra transforma e, senão acontece é porque nós não deixamos Ele atuar...Precisamos de igreja sim!!!! pois existe um ditado que diz: a brasa fora do braseiro apaga e é verdade, no céu não ficaremos sozinhos, isolados e sim no meio de uma multidão adorando ao único Deus....Quanto às as feridas deixe o Espírito Santo ministrar na tua vida e com certeza ela sarará... Agora, com relação aos líderes que manipulam, esses prestarão contas a Deus por tudo que estão fazendo... Existem tantas igrejas, mas te digo que nenhuma é perfeita, pois ouvi um pastor dizer que dentro de cada igreja existe a igreja de Cristo, essa sim vai subir naquele grande dia, devemos nos esforçar para ser esta igreja, pois ela está pautada na Palavra de Deus que é a Bíblia. FICA A DICA...”
Gostei disso, pois não adianta fingir que a Igreja é perfeita, porém a saída não é abandonar a vida em comunidade e partir para o “Cristo em casa”. Não sei se é verdade o que as pessoas dizem: “estou afastado da Igreja, mas mantenho minha comunhão com Deus”. Se liga! O relacionamento com Deus é tanto na vertical (eu e Deus), como na horizontal (eu a Igreja e o mundo). Nós precisamos ser e constituir a Igreja de Cristo. Em relação a isso eu sempre me pergunto:"o que eu estou fazendo para que a igreja que congrego se torno mais parecida com a igreja de Cristo e menos com essa palhaçada do tal do evangelicalismo dos nossos dias.....